Exames

Conheça os diversos exames que realizamos na clínica

Audiometria

Exame subjetivo (que depende da colaboração da pessoa avaliada), realizado com o paciente no interior de uma cabine acústica para a avaliação da sua audição e representação do resultado em um gráfico (audiograma). De forma mais comum, é composta pela Audiometria Tonal Limiar e pela Audiometria Vocal.

Audiometria Tonal Limiar

Teste subjetivo, realizado em uma cabine acústica, que visa, através da emissão de tons puros em várias frequências e intensidades, tanto por via aérea, como por via óssea, determinar o limiar da audição da pessoa avaliada (menor intensidade em que se escuta), nas frequências testadas (de 500 Hz a 8.000 Hz). Conclui-se, por uma audição normal ou por uma perda auditiva, com a definição do seu tipo e da sua intensidade.

Audiometria Vocal

Exame que complementa a audiometria tonal limiar e avalia a capacidade de compreensão da fala humana, ou seja, a menor intensidade para reconhecimento da fala humana. Também avalia o índice de reconhecimento da fala a uma intensidade confortável, o que resulta em uma percentagem de acertos ao se pedir para o paciente repetir uma série de palavras.

Audiometria Tonal Condicionada

Em geral para crianças de 3 a 6 anos, esse exame, também realizado em uma cabine acústica, permite avaliar e determinar o nível de audição do paciente, ou seja, a menor intensidade em que ele escuta, através de um condicionamento para as respostas, que, em geral, é lúdico. A criança responde aos estímulos com brincadeiras ou jogos.

Audiometria com Reforço Visual

Exame mais apropriado para crianças entre 6 meses e 3 anos, onde se utiliza estímulos sonoros associados a estímulos visuais, visando a avaliação da audição da criança, com a obtenção do seu limiar auditivo. Nesse caso, o estímulo visual funciona como um condicionamento para se reforçar a resposta ao estímulo auditivo.

BERA

O exame de BERA (Brainstem Evoked Response Audiometry) ou PAETE (Potencial Auditivo Evocado de Tronco Encefálico) é muito utilizado na prática clínica de otorrinolaringologistas e neurologistas. Tem várias funções. As mais importantes são a avaliação auditiva em crianças e adultos que não colaboram com a audiometria convencional e o diagnóstico de tumores e outras lesões da via auditiva no sistema nervoso central.

Eletrococleografia

Também conhecida como EchoG, é um exame que tem como função principal o diagnóstico de um dos tipos de labirintopatias conhecida como doença ou síndrome de Ménière. Na Clínica Otorhinos esse exame é feito com um eletrodo que toca a membrana timpânica (tímpano), sem a necessidade de perfurá-la, o que ocorre quando se usa eletrodos transtimpânicos.

Imitanciometria

Exame que pode ser realizado em qualquer idade, inclusive em deficientes auditivos, e que utiliza uma pequena sonda na entrada do conduto auditivo externo para avaliar as condições da orelha média e da tuba auditiva, fornecendo informações sobre a integridade funcional da membrana timpânica e da cadeia de ossículos (martelo, bigorna e estribo). Permite a realização de dois testes: a Timpanometria e o Reflexo Estapédico. A Timpanometria avalia a complacência ou mobilidade da membrana timpânica, enquanto o Reflexo Estapédico, ou reflexo do músculo estapédio, auxilia na determinação do local da lesão auditiva.

Potencial Evocado Auditivo de Estado Estável

Este tipo de potencial evocado é utilizado para o diagnóstico de deficiência auditiva em crianças. Diferente do BERA, avalia as diversas frequências em que ocorre a deficiência auditiva, e por isso pode ser útil para diferenciar perdas de audição para sons graves e sons agudos. Com isso, o otorrinolaringologista tem melhor parâmetro para a prescrição de aparelhos auditivos e o paciente tem melhor adaptação a esses dispositivos.

Processamento Auditivo Central

O PAC (processamento auditivo central) é o conjunto de habilidades auditivas necessárias para que o indivíduo compreenda a mensagem. É a interpretação que o cérebro faz do som ouvido. Sua avaliação é indicada em crianças ou adultos que apresentam dificuldades de aprendizagem, dispersão, dificuldade de comunicação oral e/ou escrita, dificuldade de compreensão em ambientes ruidosos. Entretanto, para sua realização, o indivíduo deve ter sete anos ou mais de idade e uma avaliação auditiva prévia com limiares normais.

Teste de Labirintite (Vectoeletronistagmografia)

Principalmente para avaliar as mais diversas formas de tontura, auxiliando no diagnóstico dos distúrbios otoneurológicos. Tem como objetivo analisar a função do labirinto e suas correlações com os diversos órgãos e sistemas, identificando se há alteração vestibular, se essa alteração é periférica ou central, além de evidenciar qual lado está acometido. Durante o exame pode haver tontura, que em geral é leve e passageira. Para a sua realização, são necessárias as seguintes orientações:

• Jejum de 02 horas.Alimentação leve;
• Não tomar chá preto, café, chocolate, coca-cola e não ingerir bebida alcoólica 6 horas antes do exame;
• Não fumar no dia do exame;
• Comparecer para o exame sem maquiagem;
• Se usar lentes de contato, removêlas;
•  Suspender medicação para tontura ou para stress, ansiedade, insônia , depressão,relaxante muscular (Ex: Diazepan, Lexotan, Rivotril, etc) 48 horas antes do exame. Caso use medicação há mais de seis meses, não suspender ou perguntar ao médico solicitante do exame.

Não suspender medicação de uso contínuo para coração, pressão arterial, convulsão, diabetes, tireóide, anticoncepcional ou quaisquer outras medicações que não sejam as citadas no início deste item.

Teste de Limiar de Desconforto Auditivo

Teste que pesquisa os limiares psicoacústicos de desconforto do paciente, tanto para tons puros com para a fala humana.

Teste da Orelhinha (Emissões Otoacústicas)

Exame auditivo objetivo, rápido, não invasivo e de fácil aplicação, que tem como principal utilização a triagem de deficiência auditiva em recém-nascidos, além de diagnosticar doenças da cóclea. Pode ser realizado em qualquer faixa etária e já a partir do primeiro dia de vida. O teste é feito com a colocação de uma pequena sonda no conduto auditivo externo do paciente, sem que haja a necessidade de perfuração da pele da orelha ou da membrana timpânica. Conclui, dessa forma, é um exame indolor.

Teste de Prótese Auditiva

Trata-se de um exame de audiometria, realizado em pacientes usuários de aparelhos auditivos, para se avaliar o ganho funcional fornecido por esse aparelho, ou seja, quanto de benefício auditivo o paciente está tendo por usá-lo.

VEMP

O VEMP (Vestibular Evoked Myogenic Potential) é um exame promissor que tem como finalidade avaliar a função do sistema vestibular, ou seja, o sistema que controla o nosso equilíbrio. Portanto, é útil no diagnóstico de alguns tipos de labirintopatias, principalmente a doença de Ménière. É um exame indolor, como o BERA, realizado através de eletrodos de superfície que captam respostas de atividade muscular, geradas a partir de um estímulo auditivo.



Procedimentos

Reabilitação Vestibular

É um programa de exercícios que tem como objetivo reduzir os sintomas de desequilíbrio e tontura associados com doença vestibular (labirintite). Ao longo do tempo, o sistema nervoso central sofre um processo de habituação e os sintomas de tontura tendem a desaparecer.

Manobras de Reposicionamento Canalicular

São realizadas quando do diagnóstico de um tipo de labirintopatia conhecida como Vertigem Posicional Paroxística Benigna (VPPB). Através de manobras padronizadas, consegue-se reposicionar “pedrinhas” microscópicas que existem na orelha interna humana e que podem ser a causa da vertigem.

Videolaringoscopia

Exame de rápida execução e de extrema importância para o diagnóstico das doenças da hipofaringe(ex: tumores de base de língua) e laringe (ex: doenças da pregas vocais). Realizado apenas com anestesia local, aplicada através de spray oral, mas que alguns pacientes preferem realizar sem qualquer tipo de anestésico. O exame é feito com fibra óptica rígida através da boca, e as imagens são captadas e magnificadas, facilitando a visualização das estruturas da laringe e regiões circunvizinhas. O paciente recebe o laudo detalhado e documentado através de fotos da área examinada.

Videonasofaringoscopia

Exame de rápida execução e de extrema importância para o diagnóstico das patologias que acometem as fossas nasais, paranasais ( ex: sinusites crônicas), nasofaringe( ex: adenoide, tumores, etc), hipofaringe (ex : base da língua) e laringe (ex: pregas vocais). Feita com ou sem anestesia local, aplicada através de gotas ou spray nasal. Utilizamos fibras ópticas flexíveis, de tamanhos reduzidos, que possibilitam a realização de exame até mesmo em recém-nascidos. Exame também indicado para pacientes que não consigam realizar a VIDEOLARINGOSCOPIA através da boca.

Videoestroboscopia

Exame de execução exatamente igual à VIDEOLARINGOSCOPIA/VIDEONASOFARINGOLARINGOSCOPIA, no qual apenas a fonte que utilizamos emite pulsos luminosos que auxiliam no diagnóstico das doenças que acometem as pregas vocais. Através desse exame, visualizam-se os movimentos de vibração das pregas vocais, facilitando o diagnóstico das doenças funcionais da laringe.

Videoendoscopia da Deglutição (VED)

É um exame indicado para pacientes com dificuldades durante a alimentação, como engasgos frequentes com alimentos ou saliva (disfagia). Frequentemente a disfagia acomete indivíduos de idade avançada (embora possa ocorrer em qualquer idade), bem como portadores de doenças neurológicas (Parkinson, AVC, etc.) e tumores de cabeça e pescoço.O exame é realizado com o mesmo aparelho utilizado na Videoendoscopia Nasal. A fibra óptica é posicionada para que seja visualizada a laringe e a entrada do esôfago. São então oferecidos alimentos ao paciente nas consistências líquida, líquido engrossado (como iogurte), pastoso (como papa de neném) e sólido (biscoitos). Em nosso serviço preparamos o alimento com espessante industrial de amido de milho e coramos com azul de anilina (corante comestível usado em bolo) para melhor visualização. Observa-se, entre outros achados possíveis, a ocorrência de aspiração de saliva, resíduos alimentares e penetração ou aspiração de alimentos (se o alimento está indo para o esôfago que é a via correta ou se está entrando no pulmão durante a deglutição).Assim definimos se há disfagia e qual o grau, se está indicada fonoterapia e como esta deve ser conduzida, bem como qual a via de alimentação mais segura, se oral ou alternativa.

Endoscopia Digestiva Alta (Esofagogastroduodenoscopia)

É um exame seguro quando realizado em condições adequadas. A orofaringe (garganta) é um segmento crítico na sua execução porque dispara facilmente o reflexo do vômito. Medicações tópicas e endovenosas em doses adequadas bloqueiam tal reflexo, permitindo o procedimento tranquilamente. É indicada para diagnosticar doenças do esôfago, estômago e duodeno e também para tratar muitas delas. A duração varia conforme o objetivo do exame; quando é feito apenas para diagnosticar (examinar a mucosa e retirar um diminuto fragmento (biópsia) para exame histopatológico) gasta-se de 5 a 10 minutos. Para fazer algum tratamento (polipectomia, ligadura ou esclerose de varizes, mucosectomia, dilatação do esôfago, estancar um sangramento de uma úlcera, por exemplo) demora-se mais tempo.

pHmetria Esofágica Prolongada (24horas)

É um exame utilizado para diagnosticar doença do refluxo gastroesofágico, quando os sintomas não são típicos, como pirose retroestrenal, regugitações, disfagia, por exemplo, posto que na maioria das vezes o diagnóstico é fundamentado nestes sintomas. A aparelhagem consiste de um módulo (pHmetro), um pouco maior que os atuais aparelhos celulares e uma sonda (02mm) com um ou mais sensores fixos a partir de sua extremidade para medir a acidez esofágica. A introdução da sonda é feita através de uma das narinas, após anestesiá-la juntamente com a faringe, para minimizar o reflexo do vômito. O posicionamento adequado do(s) sensor(es) é feito previamente por manometria, nos adultos, ou por radiografia torácica, nas crianças. O paciente fica com um diário para anotar o horário das refeições, os momentos em que se deita e se levanta e o horário dos sintomas. O pHmetro é programado para fazer medições com intervalos de 1 a 5 segundos. No dia do exame não é possível banhos completos (chuveiro e banheira) porque o aparelho não pode ser molhado, nem a sonda retirada.

Polissonografia Domiciliar

Exame não invasivo que mede a atividade respiratória, muscular e cerebral (além de outros parâmetros) durante o sono. As informações são coletadas por sensores espalhados pelo corpo e analisadas por computadores que transformam os dados em padrões que descrevem em detalhes como é o descanso do indivíduo.

Diretor técnico: Dr. Elias Bezerra Leite | CRM CE-7397